A hora e a vez da Geração da Internet

Nos primeiros anos do século XXI, o mundo assistia boquiaberto à chamada “bolha da internet” composta basicamente por jovens, entre 18 e 25 anos, com uma autoestima hiperelevada, totalmente fora da realidade salarial, sem qualquer comprometimento com a empresa em que estava – não vestiam a camisa. Esse personagem foi batizado, de forma genérica, pelo então VP de Criação da Ogilvy Interactive, Michel Lent, como “o estragadinho da web”.

Com a escassez de mão de obra, o mercado “estragava” os jovens que, sem orientação, sem experiência e, principalmente, sem formação acadêmica, se vendiam ao maior lance do leilão. Esse era o cenário no ano 2000, pouco antes do estouro da “bolha” e da evasão de talentos que se seguiu.

De lá para cá, o mercado, não só de web, assiste a uma nova invasão de jovens com boa bagagem em tecnologia, mas ruim, muito ruim, em outras áreas do conhecimento. Li uma vez uma entrevista do executivo da área de tecnologia, Olavo Ferreira, e me chamou atenção a seguinte frase: “Precisamos de gente que entenda de internet e que seja um profissional mais completo”.

Cabe aí uma grande reflexão de todos nós. Como formar este profissional completo? A quem compete tal formação? E o que seria este completo? Fui buscar o currículo de algumas das principais escolas de tecnologia da informação, por exemplo. Confesso que fiquei pasmo com o que li: o universitário é bombardeado com disciplinas técnicas, algumas ininteligíveis para leigos como eu – são as chamadas “sopa de letrinhas” – e várias “técnicas” e “metodologia” de alguma coisa.

Ora, é uma tentativa torpe de fracionarmos o ser humano, de restringirmos o conhecimento. Ao aluno cabe apenas o estudo de disciplinas técnicas, nada que o obrigue a pensar, a debater a analisar o meio em que vive? Estou usando TI, contudo, observa-se em outras áreas a mesma tentativa de reproduzir exclusivamente o mercado.

Só que o mercado já sofre as consequências desta opção em enfatizar o tecnicismo puro, descontextualizado da sociedade. Justificada como imersão total no mundo corporativo e uma preparação para a competitividade, este foco tem gerado, a meu ver, muitos jovens despreparados, com visões parciais e equivocadas, com bagagem cultural fraquinha e, pior, com uma ambição desmedida e desenfreada. Ou seja, são os “estragadinhos” da Geração da Internet.

Muitos executivos de RH dizem que esta moçada chega para os estágios até com currículos interessantes, com viagens internacionais, intercâmbios no exterior e domínio de um ou mais idiomas. Entretanto, ao produzir relatórios ou outros documentos para a organização, escorregam na Língua Portuguesa. Já é comum encontrar empresas oferecendo cursos de Português instrumental para os funcionários, numa tentativa de aprimorar e evitar erros de interpretação nos negócios que são tratados no idioma de Camões, não apenas no de Shakespeare.

Outra percepção é o descolamento da realidade, porque muitos não gostam de ler livros que não sejam técnicos e quando o fazem optam por “manuais de felicidade” que prometem catapultá-los à glória em pouco tempo. E está aí outro grave problema de parte dessa geração. Eles querem tudo “fast”, tudo para ontem. Hoje em dia, sou um adepto das redes sociais, que se configuram em um bom termômetro sobre esta moçada. É uma “Disney das ilusões” ou um manancial de ideias distorcidas sobre a construção de uma carreira.

Consideram a formação acadêmica como obstáculo a ser transposto para alcançarem o tal sucesso. Eles veem na universidade apenas o lugar em que irão obter o diploma-passaporte para concretizar suas ambições – bastando a frequência e o pagamento em 48 vezes. Por sua vez, a concorrência entre as universidades provocou uma distorção terrível ao transformar o aluno em cliente. O “eu tô pagando” está levando jovens a menosprezar uma das etapas mais importantes da vida de um ser humano, a construção do conhecimento que, diga-se de passagem, é contínua.

Lembro-me do sacrifício para cursar a faculdade e da alegria ao concluí-la. A dificuldade valorizava ainda mais as conquistas. Ficávamos anos em uma mesma empresa, muitas vezes crescíamos junto com a organização, de forma até parcimoniosa. Não sou nostálgico daqueles que acham que o tempo deles era melhor – até porque este tempo também é meu. Todavia, esta busca por facilidades dissociada de esforço, me preocupa. Hoje, é relativamente fácil ingressar nas universidades. Segundo pesquisas, os jovens da geração da internet mudam de emprego a cada três anos, pois querem chegar logo ao topo. O sucesso passou a ser uma espécie de bingo, uma loteria. Muitos querem eliminar as fases intermediárias, sem esforço, sem suor, sem ralar. Só que o mundo real não funciona assim e logo teremos uma legião de frustrados.

A empresa idealizada por alguns jovens resplandece em luzes douradas e soa música angelical. Primeiro, devo avisá-los: este paraíso coletivo não existe, ele é particular. Cada um de nós constrói o seu lugar. Para chegar ao topo, tem de alicerçar a trajetória profissional em bases sólidas e fincadas em muita leitura (revistas, jornais, livros), estudo – não apenas o técnico, mas complemente-o e amplie-o com temáticas de humanidades como filosofia ou história – e em muito, muito trabalho. Desta forma, poderemos mostrar para a próxima geração que vem aí que gostar do que faz é um exercício contínuo e demanda muita ralação, pois os esforços não serão centrados no telhado e sim na construção geral. O topo é só uma opção, uma consequência.

Até a próxima Carta do Mês!

Denis Mello

Diretor-presidente

ENTRE EM CONTATO CONOSCO

Nossos consultores irão entrar em contato em breve.