Descontruir, construir e crescer

desconstruir carta do mesNo final de todo ano, abre-se a temporada de retrospectivas pessoais. Nesse momento, fazemos uma avaliação anual, quando não, da nossa vida inteira. Invariavelmente, somos impelidos a montar lista de resoluções: “vou parar de fumar, vou perder peso, vou aprender outro idioma”.

Esse mesmo fenômeno também acontece nas empresas. A lista de resoluções de Ano-novo também não é lá muito original: aumentar a base de clientes, criar novas oportunidades de negócio, proporcionar um ambiente para profissionais estimulados, ser líder em seu segmento, etc.

Mas entra o ano, passa o Carnaval (quando o ano começa efetivamente no Brasil) e tudo continua do mesmo jeito, no mesmo lugar, fora algumas mudanças cosméticas que tendem a perder o esmalte em pouco tempo.

Entretanto, como fazer mudanças realmente efetivas em uma empresa? Acredito que não deva ser muito diferente do processo de mudanças efetivas na vida pessoal. Exige uma predisposição verdadeira, desaprender o que se sabe e destruir todas as suas crenças, para dar lugar a algo completamente novo.

Da mesma maneira como era feita a queimada da cana-de–açúcar, onde toda a lavoura era consumida pelo fogo, até não sobrar nada e a terra descansar para se preparar para o próximo ciclo de plantio. Isso me faz lembrar o economista Joseph Schumpeter e os conceitos da “Destruição Criativa”, uma das noções de administração mais corajosos e eficientes da 2ª metade do século XX. Uma das premissas básicas é que a empresa deve desenvolver a capacidade de “desaprender constantemente” e “praticar a descontinuidade de modelos” para ser capaz de implementar mudanças na velocidade da dinâmica do mercado.

Todos nós sabemos como é difícil dominar o nosso ego e ser generoso para dar uma segunda chance para alguém recomeçar. Ficamos agarrados a nossa história e à visão que as pessoas têm de nós. Temos que desaprender nossos valores, desapegar-nos do nosso senso de importância e estar abertos às mudanças que a estrada da vida oferece.

O mesmo ocorre com as empresas. Quanto mais agarrada ao passado, menos espaço para assimilar as mudanças do mercado. Quanto mais presa aos modelos mentais, maior a chance de seu futuro estar condenado aos limites dessa cela.

A destruição criativa é uma revolução interna, de dentro para fora. E o objetivo dela é aumentar a capacidade da empresa de assimilar as mudanças de fora para dentro. Evoluir junto com a dinâmica do mercado.

Quando uma empresa abraça essa mudança com toda força, divide a sua história em A. C. (Antes do Compromisso) e D. C. (Depois do Compromisso) e escreve um novo capítulo, um Novo Testamento, cuja herança é algo que nunca se consome ou perde o valor: a competitividade sempre crescente, lastreada pelo saudável hábito da mudança constante.

Renovar-se deve estar no topo de toda e qualquer lista de resoluções.

Até a próxima Carta do Mês!

Denis Mello

Diretor-presidente

ENTRE EM CONTATO CONOSCO

Nossos consultores irão entrar em contato em breve.