Profissionais investem no bom português
 
 

Por Adriana Fonseca

Gerente de relacionamento em um grande banco do país, Leonardo Tadeu Biondo Silva começou, recentemente, um curso de português para brasileiros na Fisk. Formado em economia e com um MBA concluído há dois anos, Silva acha complicado comunicar as necessidades da sua área nos relatórios que envia para outros departamentos da empresa. "Tenho dificuldade com a escrita e em me fazer entender através de textos", explica o executivo de 25 anos.

Segundo Silva, para conseguir atender bem seus clientes, ele precisa argumentar por escrito com as equipes de crédito do banco e nem sempre consegue transmitir suas ideias claramente nos pareceres que apresenta.

O executivo já tinha percebido esse ponto fraco, mas o feedback de seu chefe em uma avaliação interna foi o pontapé que faltava para ele correr atrás e aprimorar suas habilidades com a língua portuguesa. "Cheguei a perder uma promoção por não ter sido bem avaliado nas competências relacionadas à comunicação", diz ele.

Silva não está sozinho. Ao perceber uma demanda dos profissionais brasileiros por aperfeiçoamento na língua portuguesa, a rede de escolas Fisk lançou, em 2010, um programa voltado para esse público. Hoje, dois anos após o lançamento, os frequentadores do curso de português para brasileiros já representam 5% dos 500 mil alunos da rede. "O intuito do programa é atender quem tem competência técnica em sua área de atuação mas tem dificuldade com a língua portuguesa", afirma Elvio Peralta, diretor-superintendente da Fundação Fisk.

Peralta conta que, na época do lançamento, o curso não teve muita procura. Mais conhecida pelo ensino da língua inglesa, a Fisk começou a divulgar o programa de português entre as pessoas que faziam parte de seu círculo - alunos, ex-alunos, moradores dos bairros onde há unidades instaladas e público em geral. Não deu muito certo. "As pessoas não procuram esse tipo de curso porque normalmente não sabem de suas limitações", diz o diretor. Por isso, a rede mudou sua estratégia. Passou a divulgar o novo curso nos departamentos de recursos humanos das empresas e a desenhar programas customizados no modelo "in company".

Segundo Peralta, 70% dos alunos do curso de português vêm das empresas, principalmente de departamentos financeiros e comerciais. A grande maioria, de acordo com ele, tem nível gerencial. "São pessoas que estão no início da carreira e começando a ascender profissionalmente", diz. Nessa fase da vida, os jovens executivos passam a enfrentar situações em que precisam mostrar suas habilidades com a oratória, seja em reuniões, apresentações ou em textos de relatórios. É o momento em que os problemas aparecem.

As dificuldades mais comuns entre os alunos do curso de português, de acordo com Peralta, são a oralidade, escrever sem erros de concordância, falta de objetividade e clareza. Atualmente, existem 800 empresas conveniadas com a Fisk, cujos funcionários podem usufruir do curso de português.

Supervisora de recursos humanos na Klüber Lubrication Brasil, Viviane Rodrigues percebeu que precisava se aperfeiçoar no português. Ela conta que passou três anos de sua infância, quando estava no fim do ensino fundamental, nos Estados Unidos e no Canadá, o que lhe rendeu um bom domínio da língua inglesa, mas prejudicou a fluência em sua língua materna. "Eu não me sentia segura ao ter que falar em reuniões e ao avaliar jovens profissionais que ingressavam na empresa", diz ela.

Na área em que atua, Viviane acompanha o desenvolvimento dos estagiários e coordena o "pool" de secretárias da empresa. "Muitas vezes preciso corrigir erros de gramática que eles cometem e orientá-los para que melhorem nesse aspecto. Como poderia fazer isso sem me sentir segura em relação ao domínio do português?", diz ela.

Para resolver o problema, Viviane aproveitou o convênio que a empresa onde trabalhava tinha com a Companhia de Idiomas e fez seis meses de aulas individuais. A jornada incluía uma hora de aula, duas vezes por semana.

A assistente executiva Katia Cordeiro do Espírito Santo também se viu diante do desafio de aprimorar suas competências linguísticas. Ela conta que trabalhou em uma empresa de logística onde assessorava um dos diretores e, nessa fase, adquiriu muitos vícios de linguagem. "Meu chefe não tinha tempo e eu precisava passar as informações para ele muito rápido, usando até abreviações ", conta Katia. A experiência profissional deu à assistente o hábito de falar sempre com pressa e de usar o gerúndio em excesso.

No emprego seguinte, quando assessorava um executivo do ramo imobiliário, os hábitos adquiridos no trabalho anterior atrapalharam um pouco a dinâmica do escritório. Katia conta que precisava conversar com clientes "top" e seu chefe lhe pediu que fizesse um curso de português para "dar uma polida" no seu jeito de falar. Foram oito meses de aulas na Companhia de Idiomas, duas horas por dia, de segunda à sexta-feira. Tudo pago pelo chefe. No programa, Katia trabalhou oralidade, redação e capacidade de concisão na escrita.

Rosângela de Fátima Souza, sócia-diretora da Companhia de Idiomas, diz que o curso de português para brasileiros da escola é construído de acordo com a necessidade do aluno. "Assim como em um idioma estrangeiro, temos falantes da língua em diferentes níveis", justifica.

Para desenhar o curso, os professores da escola simulam situações de trabalho com os alunos e até gravam, em vídeo, apresentações desses profissionais. O programa é estruturado em cima disso e de alguns testes.

A maior parte dos alunos, segundo Rosângela, já está no mercado de trabalho. São profissionais que vão desde o nível operacional- como os garçons da rede Griletto, que fizeram um curso de português para refinar o idioma falado- até diretores. Quase sempre a contratação do programa é feita pela área de recursos humanos da empresa. "Os gestores de RH têm percebido que a falta de uma comunicação oral e escrita adequada gera ruídos em todas as áreas", diz.

Rosângela afirma que, entre os alunos que ocupam cargos de diretores e gerentes, a dificuldade mais comum está na clareza da escrita, o que influencia a compreensão de relatórios. Não cometer erros gramaticais e de concordância em apresentações também é um desafio constante para esse público, segundo ela.

Os cursos, segundo Rosângela, são dados em aulas individuais ou em pequenos grupos- de no máximo cinco alunos. O tempo de estudo varia muito porque depende das necessidades de cada profissional.

A Lotus Idiomas, rede de escolas com seis unidades em São Paulo, também desenvolve o curso de português para brasileiros de forma customizada, de acordo com as particularidades do aluno. Desde a reforma ortográfica da língua portuguesa em 2009, a procura por programas de redação e gramática na escola aumentaram, segundo Mari Fernandes, auxiliar de coordenação.

Ela diz que quase a totalidade dos alunos desse tipo de curso tem ensino superior e está no mercado de trabalho. Os frequentadores mais assíduos são advogados, engenheiros, médicos e jornalistas. "Esses profissionais precisam ter um texto correto em e-mails e relatórios", diz Mari. Segundo ela, as aulas normalmente são focadas nas temáticas do mundo corporativo e há, inclusive, programas bem específicos, como o de redação jurídica.

 
Fonte: www.valor.com.br

 
 
 

Últimas Notícias

 
Mais Notícias
  Em Foco
WORKMAP - Geomarketing
Potencial de Consumo - IPC NEXION
Feiras e Eventos
Fale Conosco
GRAACC - Você pode ajudar
Galeria de Vídeos
Carta do Mês
Livro DM
Case 447 - A DECISÃO DEFINE O NORTE
Depoimento de Clientes
Como Melhorar o Desempenho da Área Comercial da sua Empresa
Cadastre-se