Indústria começa semestre sem pedidos fortes
 
 

Por Arícia Martins e Carlos Giffoni

A  virada do primeiro para o segundo semestre não trouxe encomendas firmes que permitam a maioria dos setores industriais planejar um aumento de produção sobre o ano passado. A certeza de vendas maiores está restrita aos setores beneficiados com a redução do Imposto sobre Produtos Industriais (IPI), como linha branca, móveis e automóveis. Segmentos já beneficiados com a desoneração da folha de pagamentos, cujo efeito para o consumidor é menos visível, e fabricantes de insumos e bens intermediários esperam vendas melhores que as dos primeiros seis meses, mas poucos planejam aumento em relação ao segundo semestre do ano passado. Para muitos, "empatar com 2011" passa a ser a meta deste ano.

O setor de papel ondulado, que é um bom termômetro para as encomendas da indústria, não aposta em resultados mais expressivos na segunda metade do ano. De janeiro a maio, o setor acumula crescimento da produção de 1,6% frente ao mesmo período de 2011. A expectativa para 2012 é de avanço entre 2% e 2,5%. A aceleração, avalia Ricardo Trombini, presidente da Associação Brasileira da Indústria do Papel Ondulado (ABPO), é sazonal. Ainda que a atividade econômica retome o fôlego e cresça entre 3,5% e 4% no segundo semestre, como é dito pelo governo, Trombini não aposta num crescimento robusto para o setor.

"Para o setor de papel ondulado, não adianta se a indústria automobilística e a construção civil puxarem o crescimento, compensando as perdas da indústria manufatureira. Só sentiremos os efeitos se setores como o têxtil, de eletrodomésticos e calçados tiverem crescimento vigoroso e tenham participação no varejo, não sendo substituídos pelos importados", explica Trombini.

O presidente do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda), Carlos Loureiro, conta, a partir da percepção das empresas associadas, que a primeira semana de julho "começou muito devagar" para o setor de aço plano. "A recuperação da indústria esperada para o segundo semestre ainda não apareceu. É muito cedo para carimbar o mês, mas o começo não foi auspicioso", disse. Após salto de 18% das vendas entre abril e maio - fruto de antecipação de compras com expectativas de aumento de preços que não se concretizou -, a previsão do Inda de queda de 15% em junho está se confirmando. "Talvez essa queda seja até maior", cogita Loureiro.

O presidente do Inda trabalha com crescimento zero nas vendas de aço plano no primeiro semestre, período em que o segmento foi prejudicado por demanda mais fraca da indústria e estoques elevados. A redução do IPI para automóveis também não gerou expectativas de aumento adicional do consumo na segunda metade do ano. "Tínhamos imaginado crescer 6% em 2012, mas estou achando que esse número é muito forte".

O setor químico, que produz matérias-primas para diversas cadeias, não sentiu recuperação das encomendas em julho, como era previsto pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). A diretora de economia da entidade, Fátima Ferreira, deve fechar os resultados de junho no final deste mês, mas conclui, a partir de conversas com empresas, que não houve mudança de cenário no início do terceiro trimestre, período que geralmente é o mais aquecido do ano para o setor. Em maio, último dado disponível, a produção de químicos caiu 1,2% frente a abril, enquanto as vendas internas encolheram 0,1% no período.

O governo estuda criar um regime especial de tributação para a indústria química no âmbito do Brasil Maior. A ideia é reduzir impostos para empresas que usarem insumos nacionais na produção. O setor, segundo Fátima, tem "excelentes expectativas" em relação à medida, mas o governo não pode demorar muito para agir. "A continuar do jeito que estamos, se conseguirmos igualar a produção do ano passado, já está de bom tamanho". A produção de químicos aumentou 5,8% de janeiro a maio devido à base fraca de comparação de 2011, quando um apagão no começo do ano paralisou fábricas.

Mesmo prevendo um segundo semestre mais aquecido que o primeiro, o assessor econômico da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Gilmar Freitas, não arrisca projeções de crescimento sobre 2011. O primeiro semestre, conta Freitas, foi marcado por concorrência ainda acirrada de produtos importados, que continuaram com preços atrativos devido à produção mundial excedente, e à restrição ao crédito, o que afetou o setor de motocicletas.

Diante de queda de 6% na produção entre janeiro e maio, segundo estimativas preliminares da Fieam, o polo demitiu oito mil trabalhadores no período. O economista não tem dados sobre encomendas para julho, mas acredita que o desempenho da produção deve "apresentar melhora significativa" em relação ao mês anterior, porém sem superar julho de 2011.

Na avaliação da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) os incentivos ao investimento não irão surtir efeito neste ano, como espera o governo, devido ao ambiente pouco favorável, diz Mario Bernardini, assessor econômico da presidência da entidade, que ainda não tem dados sobre junho e julho.

A MAN Latin America, fabricante alemã de ônibus e caminhões, encerrou 2011 produzindo de 300 a 350 veículos por dia e, nos seis primeiros meses de 2012, viu a média cair para 230 a 250 unidades. O resultado é atribuído pelo presidente da companhia, Roberto Cortes, ao arrefecimento doméstico e, principalmente, às mudanças nas regras de emissões de gases poluentes, que elevaram as vendas de caminhões no fim do ano passado. Até junho, a produção da MAN caiu de 30% a 40% em relação a igual período de 2011.

"Nossa produção no segundo trimestre foi muito baixa, assim como a de todo o setor de veículos", diz Cortes. Ele conta que, entre abril e junho, a companhia realocou empregados de setores ociosos para ajudarem na manutenção da fábrica, antecipou parte das férias e cancelou dias de trabalho. As medidas foram adotadas concomitantemente, justifica Corte, para a MAN se preparar para uma demanda que crescerá no segundo semestre, já a partir de julho. (Colaborou Diogo Martins, do Rio)

 
Fonte: www.valor.com.br

Have too often for cash advance loans people who practice responsible lending industry?
 
 
 

Últimas Notícias

 
Mais Notícias
  Em Foco
WORKMAP - Geomarketing
Potencial de Consumo - IPC NEXION
Feiras e Eventos
Fale Conosco
GRAACC - Você pode ajudar
Galeria de Vídeos
Carta do Mês
Livro DM
Case 447 - A DECISÃO DEFINE O NORTE
Depoimento de Clientes
Como Melhorar o Desempenho da Área Comercial da sua Empresa
Cadastre-se