Como reconhecer que o seu ciclo na empresa já fechou?
Saiba o momento de mudar de emprego e quando o troca-troca pode ser prejudicial à carreira
 
 

Por Andrea Giardino

O cenário está propício para quem deseja mudar de emprego. Há vagas disponíveis em diversos setores e empresas dispostas a pagar salários mais altos para ficar com o funcionário que desejam. Mas a facilidade de trocar de trabalho é uma arma para ser usada com moderação. Em muitos casos, rodar demais em busca de pequenos aumentos salariais pode levar a um desgaste da imagem do profissional.

Antes de aceitar um convite de trabalho é preciso entender se já está mesmo na hora da mudança ou se você está abandonando um projeto antes de concluí-lo apenas por uma grana a mais. Sair antes da hora pode parecer uma conduta sem maiores consequências diante de uma boa proposta. Mas, no futuro, na hora de provar sua experiência — o maior bem de um profissional —, a ausência de realizações pode ter peso negativo.

“Mudar apenas por ambicionar postos mais altos dá a impressão de que a pessoa não tem capacidade de se manter no cargo por muito tempo”, diz Marcelo Arantes, vice-presidente de RH da Braskem, do setor petroquímico. Nos últimos cinco anos, a engenheira agronôma Mariana Godoy, de 29 anos, analista de mercado da FMC, empresa de defensivos agrícolas, trocou quatro vezes de emprego e duas de cidade.

Tantas mudanças fizeram com que sentisse na pele o preço de suas escolhas. “Há algum tempo passei por um processo de seleção e, na etapa final, ouvi do presidente que ele não poderia me escolher porque tinha dúvidas se eu estaria lá no dia seguinte”, lembra. Em todos os casos, Mariana pediu demissão por sentir que estava estagnada. Ao perceber que não tinha mais como crescer, procurava um novo emprego.

“Sempre soube quando meu ciclo havia se encerrado”, diz. Para ela, essa vasta experiência permitiu adquirir um enorme aprendizado. No entanto, tem consciência de que fazer seguidas movimentações pesou de forma negativa no currículo. Muitos funcionários, ao sentir insatisfação no trabalho, não hesitam em largar tudo e ir embora. Alguns enxergam, inclusive, a chance de conseguir um salário maior.

“Essa manobra é um erro estratégico”, diz o consultor Rafael Souto, da Produtive, que assessora profissionais e empresas em fase de transição, de São Paulo. “As propostas de emprego têm sido bem atraentes, mas é preciso ter cuidado nas trocas oportunistas.” Segundo Rafael, os recrutadores fazem uma radiografia do currículo e ficam reticentes quando percebem que o candidato não para em lugar nenhum.

“Quem troca demais de emprego não vai concluir nada. Como, então, essa pessoa explicará na entrevista o que não fez?”, questiona. Para a paulistana Ivelise de Souza, 26 anos, gerente de compras da distribuidora de gás SHV e que atualmente mora no Rio de Janeiro, o fato de ter mudado três vezes de emprego em apenas um ano não chegou a atrapalhar sua carreira. “Se não havia para onde ir, o melhor era buscar novos desafios”, diz. Ela reconhece, entretanto, que deixou projetos no meio. Mas acredita que seus ciclos haviam chegado ao fim nas outras empresas. “Aqui tenho como crescer, já que a holding possui oito empresas e posso me movimentar”, explica.

Reconhecendo os sinais

Quando descobrir se é hora de mudar? Há sinais que mostram o momento certo de começar algo diferente — dentro ou fora da organização. Assim como acontece na vida pessoal, a carreira é formada por ciclos. É essencial reconhecer quando um ciclo se encerra para dar início a um novo. “O maior sinal de que umciclo chegou ao fim é a falta de desafios e de motivação”, diz Marcelo, da Braskem. Permanecer no mesmo cargo por anos a fio sem assumir novos projetos e ter a sensação de que não há mais nada para aprender são alguns indícios de que um ciclo acabou.

Vale a pena fazer um checklist básico. Pergunte a si mesmo: você se sente desafiado e motivado na função atual? Continua com poder de influência dentro da organização? Ainda há o que aprender? Existem perspectivas de crescer? Interromper um ciclo sem arranhar sua imagem é resultado de um exercício constante de autoconhecimento. “Quem passa muito rápido por várias funções e não completa o ciclo, ao ser cobrado depois por decisões estratégicas, não terá maturidade para o tamanho de sua responsabilidade”, alerta Marcelo.

Embora não exista regra para o período de tempo que a pessoa deva ficar no mesmo emprego, headhunters são unânimes em afirmar que com menos de dois anos numa função não é possível fechar um ciclo de começo, meio e fim. Exceção para aqueles que atuam em projetos de prazo determinado. Toda a discussão sobre ciclos de carreira tem sentido quando o profissional recebe propostas que representam um aumento financeiro não muito radical, abaixo de 20% da remuneração total.

Nesses casos, ganhar um pouco a mais não vai compensar a falta de experiência para contar. Para casos a partir desse valor, que sugerem uma mudança mais profunda no padrão de vida da pessoa, é aceitável mudar. Muitas das propostas atuais do mercado cobrem diferenças superiores a 20% do pacote de remuneração. Aí, vale tirar o fim de semana para pensar no assunto, considerando a longevidade do projeto, a cultura da empresa e, o mais importante, se você vai fazer o que realmente lhe dá prazer.

 
Fonte: exame.abril.com.br

 
 
 

Últimas Notícias

 
Mais Notícias
  Em Foco
WORKMAP - Geomarketing
Potencial de Consumo - IPC NEXION
Feiras e Eventos
Fale Conosco
GRAACC - Você pode ajudar
Galeria de Vídeos
Carta do Mês
Livro DM
Case 447 - A DECISÃO DEFINE O NORTE
Depoimento de Clientes
Como Melhorar o Desempenho da Área Comercial da sua Empresa
Cadastre-se